Trens da CPTM estão em greve em SP

Mais de 30 morrem em inundações na Europa Ocidental
julho 15, 2021
Atendimento de segurança funciona normamente no Rio Grande do Sul
julho 15, 2021


A capital paulista e as cidades da região metropolitana enfrentam na manhã desta quinta-feira (15) com a greve dos funcionários da Companhia Metropolitana de São Paulo (CPTM). Não há circulação de trens nas linhas 9 (Esmeralda) e 10 (Turquesa) e as linhas 7 (Rubi) e 8 (Diamante) estão funcionando parcialmente. A operação Paese, que disponibiliza ônibus entre as estações, não foi disponibilizada.

A paralisação acontece desde às 4h da madrugada, quando deveria iniciar a operação das linhas. As linhas 11 (Coral),  12 (Safira) e 13 (Jade) têm o funcionamento normal. Já o metrô e os ônibus operam normalmente.

A paralisação foi decidida em assembleia por sindicatos dos ferroviários no último dia 6 e mantida após audiência de conciliação realizada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP) na tarde desta quarta-feira (14).

De acordo com informações do TRT, durante a audiência entre a empresa de transportes e os sindicatos que representam os ferroviários, o juiz auxiliar da Vice-Presidência Judicial Edilson Soares de Lima chegou a sugerir reajuste de 6,22% para os trabalhadores e manutenção das cláusulas sociais preexistentes, ambos rejeitadas pela companhia. Propôs também uma cláusula de paz para evitar a greve efetiva já nesta quinta, o que não foi aceito pelos trabalhadores.

Até o julgamento, os trabalhadores devem manter 80% do efetivo nos horários de pico e 60% nos demais horários. Também não poderão criar obstáculos para acesso aos trabalhadores ou abrir as catracas. A multa, em ambos os casos, é de R$ 100 mil por dia de descumprimento.

Acordo coletivo

Segundo nota divulgada no site dos Sindicatos dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo, o movimento de greve surgiu a partir da decisão da CPTM de encerrar as negociações do Acordo Coletivo 2021/22. Os funcionários afirmam que não tiveram acesso ao programa de participação nos resultados de 2020 e não houve reajuste salarial no ano passado. A nota foi assinada também pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana e Sindicatos dos Engenheiros do Estado De São Paulo.

O que diz a CPTM

Em nota do site da CPTM, a companhia informa que “considera inadmissível que os sindicatos que representam os colaboradores das linhas 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa, com toda a linha de frente vacinada e com uma crise econômica, decida fazer greve nesta quinta-feira prejudicando e punindo exclusivamente o cidadão que necessita do transporte público para ir ao trabalho, incluindo os que trabalham na linha de frente no combate à pandemia de covid-19”, informou a nota.

“A CPTM lamenta a decisão sobre a greve e espera que não haja adesão por parte dos trabalhadores em respeito aos cidadãos que necessitam do transporte. A Companhia reforça que há uma decisão da Justiça do Trabalho determinando a manutenção de 80% dos trabalhadores no horário de pico e 60% nos demais horários, sob pena de R$ 100 mil diários. A empresa também irá operar com um plano de contingência para atender a todos que precisam do transporte, principalmente aos que trabalham em serviços essenciais.

Enquanto milhares de trabalhadores perdem seus empregos ou tem suas rendas diminuídas – a renda média do trabalhador é de R$ 2.500,00, a CPTM mantém salários e benefícios rigorosamente em dia – salário médio de R$ 6.500,00, mesmo tendo sido duramente afetada pela queda na demanda de passageiros durante 2020 e todo o ano de 2021. Não é possível que estes sindicatos estejam em uma realidade diferente do restante do país, que sofre com desemprego, perda de renda e fome”, encerrou a nota.

Para acompanhar a situação ao longo dos dias os usuários podem acompanhar pelos canais: 

Site: https://www.cptm.sp.gov.br/Pages/Home.aspx
Facebook: https://www.facebook.com/CPTM.fanpage/
Twitter: https://twitter.com/cptm_oficial
Instagram: https://www.instagram.com/cptm_oficial/
WhatsApp: (11) 99767-7030
Central de Relacionamento com o Passageiro: 0800 055 0121





Fonte Agência Brasil

Compartilhe agora