Capital e Baixada Fluminense mantêm alto risco de transmissão da covid

Ufes obtém patente de processo que transforma casca de coco em etanol
maio 8, 2021
Estágio de 20 toneladas de foguete chinês cairá na Terra até amanhã
maio 8, 2021


O estado do Rio de Janeiro permaneceu na zona de risco moderado (bandeira laranja) para transmissão da covid-19, segundo a 29ª edição do Mapa de Risco, divulgada ontem (7) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). Apesar disso, continuam com risco alto (bandeira vermelha)  a capital, a Baixada Fluminense, Baía da Ilha Grande, Região Serrana e Noroeste Fluminense.

A análise compara a semana epidemiológica 16 (18 a 24 de abril) com a 14 (4 a 10 de abril) de 2021 e classifica na bandeira laranja as regiões Centro-Sul, Metropolitana II (Leste Fluminense), Litorânea, Norte e Médio Paraíba.

Cada bandeira representa um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social, que variam entre as cores roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo). A classificação considera um sistema de pontos que avalia a taxa de ocupação de leitos para covid-19, a previsão de esgotamento de leitos de UTI, a variação dos números de casos e óbitos, o percentual de testes positivos para diagnóstico de covid-19.

Mapa de Risco Covid-19: estado do Rio de Janeiro

Mapa de Risco Covid-19: estado do Rio de Janeiro, por Divulgação / Governo do Rio de Janeiro

Segundo a SES, o Rio de Janeiro teve queda de 31% no número de óbitos, e as internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) caíram 32% na comparação entre as semanas epidemiológicas analisadas. As taxas de ocupação de leitos para covid-19 no estado, na sexta-feira (7), foram 85,6% para leitos de UTI e 61% para leitos de enfermaria.

Nas regiões com bandeira laranja, o estado determina: a proibição de qualquer evento de aglomeração, conforme avaliação local; a adoção de distanciamento social no ambiente de trabalho, conforme avaliação local; avaliar a suspensão de atividades econômicas não essenciais, com limite de acesso e tempo de uso dos clientes, conforme o risco no território; avaliar a adequação de horários diferenciados nos setores econômicos para reduzir aglomeração nos sistemas de transporte público.

Já nas áreas de bandeira vermelha, soma-se às determinações anteriores: suspender as atividades econômicas não essenciais definidas pelo território, avaliando cada uma delas; e definir horários diferenciados nos setores econômicos para reduzir aglomeração nos sistemas de transportes públicos.

A SES chama a atenção para a confirmação de que há uma nova variante do novo coronavírus em circulação no Estado do Rio de Janeiro. A nova cepa surgiu a partir de uma mutação ocorrida na linhagem P.1, que é a de maior frequência (91,49%) no estado.

Chamada P.1.2, a variante foi identificada em 5,85% das 376 amostras submetidas à segunda etapa do sequenciamento realizado pela SES em parceria com o Laboratório Nacional de Computação Científica, do Laboratório de Virologia Molecular da Universidade Federal do Rio de Janeiro, do Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels (Lacen), da Fundação Oswaldo Cruz e da Secretaria Municipal de Saúde do Rio.

“Até o momento, não se pode avaliar se a nova variante é mais transmissível e/ou letal”, informa a secretaria.



Fonte Agência Brasil

Compartilhe agora