Contabilidade: Tendencias para as próximas estações

Não me refiro a moda e nem as estações climáticas e sim as tendências
governamentais.
No mundo pós-covid, tudo mudou e novos rumos foram criados, desde o agronegócio,
passando pela indústria, comercio, até os serviços, afetando as pessoas físicas e
jurídicas de todos os portes. No final de 2023 foi constatada uma baixa venda no
comércio, direcionaremos para uma recessão?
Inflação não existe, (para os órgãos governamentais) para nós que somos simples consumidores, vemos a cesta básica oscilar, os hortifrutis variarem conforme o clima,
mas e os demais itens e casos? Como está o crédito ao consumidor? O poder aquisitivo
melhorou? E os impostos aumentaram?
Brasil conseguiu ultrapassar a Argentina, se tornando o país mais endividado da
América Latina, alguém vai pagar por isso? Os engravatados ou os que usam a Torga?
Esses sim inflacionam nosso Brasil com aumentos elevados de seus proventos e
regalias próprias enquanto ignoram o resto do país. Claro que não serão eles que
pagarão, nem tão pouco vai sair dos bolsos dos empresários que por sua vez, vão
repassar aos consumidores. Em Pirassununga tem algo parecido na esfera política?
A Reforma Tributária tão esperada e prometida, como as demais que não tramitam, são votadas quando se tem interesses que os satisfazem e para mostrar que estão fazendo algo, mas na verdade não enxergo com bons olhos. Nem as demais reformas.
Numa desoneração que já era fato consumado, mexeram e remexeram para ficar numa discussão sem fundamentos, para no fim prorrogarem. Quanta indecisão para quem precisa fazer o negócio fluir, devem contratar e fazer um planejamento tributário e estratégico juntamente com seus contadores e consultores, para definir novos rumos.
Corre-se o risco de um concorrente desleal reduzir o valor de seu produto, devido a
omissão de um documento fiscal para pagar menos impostos.
E, como sabemos que ainda não foram feitos todos os cruzamentos entre os valores
recebidos e pagos pelos créditos e débitos dos cartões e principalmente do PIX desde
seu início, a Receita Federal do Brasil a cada dia aprimora suas ferramentas e seus
supercomputadores, deixando todos com medo.
Teremos este ano (tomara que esteja enganado) uma ventania e uma enxurrada de
notificações para cobrar impostos atrasados e pedidos para justificar os valores
transacionados e não declarados, entre as pessoas jurídicas e físicas, tudo, para elevar
o erário público.
Quero que sejam só tendencias e que descubram uma maneira de aliviar o fardo de
cada um.

Por Flávio Adani, profissional de Contabilidade