“Dia Mundial do Rim”: Parcerias entre Prefeitura de Leme e empresas promove  diversas atividades para a população na Praça Rui Barbosa

Uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Leme através das Secretarias da Saúde e de Assistência e Desenvolvimento Social, Anhanguera Educacional e a Renovare Nefrologia, empresa responsável pela clínica de hemodiálise no município, promoverá no próximo dia 17 de março (domingo),  das 8h às 12h, no Parque Dr. Enni Jorge Draib, evento alusivo ao “Dia Mundial do Rim’’ organizado pela Sociedade Brasileira de Nefrologia.
O evento tem como objetivo atividades de conscientização e realização de exames.
Atividades que serão desenvolvidas:

·  Triagens e encaminhamentos para atendimentos especializados;
· Aferição de pressão arterial;
· Coleta de sangue para dosagem de creatinina;
·  Atividade física coletiva;
· Distribuição de material informativo;
· Orientações nutricionais;
· Médicos nefrologistas para esclarecimentos de dúvidas;
· Testes rápidos para IST/HIV.

Informações adicionais podem ser adquiridas diretamente na Secretaria Municipal da Saúde, localizada na Av. Dr. Hermínio Ometto, 705 – Jd. Alvorada ou através do telefone 3097.1010.

Dia Mundial do Rim

 A data, idealizada pela International Society of Nephrology (ISN), é comemorada anualmente na segunda quinta-feira do mês de março – dia 14 de março, em 2024. Os principais objetivos do evento são aumentar a conscientização sobre a crescente presença de doenças renais em todo o mundo e a necessidade de estratégias para a prevenção e o gerenciamento dessas doenças.
Estima-se que haja atualmente no mundo 850 milhões de pessoas com doença renal, decorrente de várias causas. A Doença Renal Crônica (DRC) causa pelo menos 2,4 milhões de mortes por ano, com uma taxa crescente de mortalidade. No Brasil, a estimativa é de que mais de dez milhões de pessoas tenham a doença.
A doença renal crônica afeta os rins e leva a uma perda progressiva e gradual das suas funções, até o ponto que a disfunção é tamanha que a pessoa precisa fazer uma terapia de substituição renal. Essa terapia pode ser a diálise ou o transplante do rim.

Funções dos rins:

· limpar todas as impurezas e as toxinas de nosso corpo;
· regular a água e manter o equilíbrio das substâncias minerais do corpo (sódio, potássio e fósforo);
· liberar hormônios para manter a pressão arterial e regular a produção de células vermelhas no sangue;
· ativar a vitamina D, que mantém a estrutura dos ossos.

 As principais causas de doença renal crônica
no Brasil e no mundo são:

· diabetes e hipertensão arterial;

 Outras causas são: nefrite (inflamação dos rins), cistos hereditários, infecções urinárias frequentes que danificam o trato urinário e doenças congênitas.

Sintomas:

A progressão lenta da doença permite que o organismo se adapte à diminuição da função renal. Por isso, muitas vezes, a doença não manifesta sintomas até que haja um comprometimento grave dos rins, com perda de até 90% de sua função. Nesses casos, os sinais são:

 ·  fadiga;
· diminuição do apetite;
· incômodo ao urinar;
· inchaço nos olhos, tornozelos e pés;
· anemia;
· fraqueza;
· enjoos e vômitos;
· dor abdominal;
· alteração na pressão arterial.

Diagnóstico:

 A perda de função renal (insuficiência renal) pode ser identificada através da dosagem do exame de creatinina no sangue.

Tratamento:

Não existe cura para a doença renal crônica, porém o tratamento pode retardar a progressão da doença. A insuficiência renal pode ser controlada com medicamentos, mas em casos mais avançados pode ser necessária a realização de diálise ou transplante renal para substituir os rins.

 Prevenção:

O primeiro passo é prevenir o desenvolvimento da hipertensão arterial e controlar a diabetes, doenças que mais levam à insuficiência renal.
· conhecer o histórico de doenças da sua família;
· controlar os níveis de pressão;
· realizar avaliação médica anual, principalmente após os quarenta anos;
· seguir uma dieta equilibrada, com baixa ingestão de sal e de açúcar;
· controlar seu peso;
·  exercitar-se regularmente;
· não fumar;
· se fizer uso de bebidas alcoólicas, que seja de forma moderada;
· monitorar seus níveis de colesterol;
· evitar o uso de medicamentos sem orientação médica.
(fonte: BVSMS: Biblioteca Virtual em Saúde – Ministério da Saúde)

 (Secom/Leme)