Unidade 2 da APAE suspende aulas por falta de pagamento da Prefeitura

Aulas na APAE Unidade 2 foram suspensas por tempo indeterminado devido à falta do repasse do dinheiro para o ano letivo por parte da Prefeitura

Aulas na APAE Unidade 2 foram suspensas por tempo indeterminado devido à falta do repasse do dinheiro para o ano letivo por parte da Prefeitura

Setenta e oito profissionais contratados pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Pirassununga (APAE) para atender convênios com a Prefeitura Municipal de Pirassununga estão sem pagamento desde dezembro.
Os dois convênios abrangem 50 profissionais do grupo de apoio à Secretaria Municipal de Educação, que auxiliam professores da rede municipal de ensino com alunos especiais e 28 da Unidade 2, localizada à Ladeira Padre Felipe, 2023 (antiga sede da Ande), inaugurada em agosto do ano passado, para
ampliar a oferta de atendimento na área da educação especial nas etapas da educação infantil e ensino fundamental, anos iniciais e alunos e alunos com diagnóstico do transtorno do espectro autista. A unidade oferece alfabetização, terapia ocupacional, acompanhamento médico, psicólogico e fonoaudiólogico.
Vinte e sete crianças estão sem aulas desde o dia 19 de fevereiro, causando prejuízos ao desenvolvimento das crianças, além de transtorno e preocupação para os pais.
Segundo o calendário oficial, as aulas deveriam ter tido início em 1° de fevereiro, porém a data foi alterada para o dia 19, em virtude de uma reforma nas dependências do prédio.
No entanto, os pais tiveram outra surpresa: as aulas foram suspensas por tempo indeterminado devido à falta do repasse do dinheiro para o ano letivo por parte da Prefeitura.
Funcionários não recebem há 2 meses. Segundo informações fornecidas por eles, alguns estão precisando pedir cestas básicas e ajuda da família e amigos.
A reportagem do Agora conversou com o presidente da APAE Moacyr Fonseca Júnior que esclareceu que, em 1° de janeiro deste ano, era necessária a assinatura de um novo Termo de Colaboração.
Na primeira semana de janeiro, em uma reunião na SME, com a presença da secretária de Educação Olga Zaninetti e do chefe de gabinete Dr. Tiago Varisi e cerca de 50 mães foi solicitada por ele, que a assinatura fosse feita o mais rápido possível. Após duas alterações solicitadas pela SME, o Plano de Trabalho foi entregue no último dia 9 de fevereiro.
“Iniciei uma peregrinação por vários setores da Prefeitura pedindo que esse termo fosse finalmente assinado. Ontem (quarta-feira), estive no gabinete e soube que faltava a assinatura do prefeito. Foi prometido que a situação seria resolvida nesta quinta-feira e que as aulas poderão ter início na próxima segunda-feira. Temos um compromisso com a garantia dos direitos das pessoas com deficiência e com melhoria da qualidade de vida delas. Os funcionários estão se preparando para voltar às aulas e preparando o local para receber os alunos. Eu espero que essa promessa seja cumprida”, disse Moacyr.
A reportagem do Agora procurou o chefe de Gabinete Dr. Tiago Varisi, na manhã desta quinta-feira (22), que afirmou que o pagamento seria feito nesta sexta-feira (23) e que os serviços deverão ser reestabelecidos na próxima segunda-feira (26).


É expressamente proibida a reprodução parcial ou integral de qualquer artigo ou matéria sem a devida autorização por escrito do Agora Região. Em caso de descumprimento todas as medidas judiciais cabíveis serão tomadas.

®


 

® Proibida a Reprodução sem a devida autorização!!!